HomeNossa HistóriaArtigosFotosVideosNotícias
MinistériosDownloadsCadastre-seFale ConoscoLocalização
 
 
 COLUNISTAS
   Carla Alecrim
   Dom Alberto Taveira
   Dom Sérgio Eduardo Castriani, CSsP
   Frei Sebastião F., ofmcap
   Frt. Inácio da Trindade, sjs
   Ivanildo Jr
   Lucimar Maziero
   Padre Flávio Sobreiro
   Papa Bento XVI
   Papa Francisco
   Papa João Paulo II
   Pe. João Evangelista, sjs
   Pe. Micael de Moraes, sjs
   Ronnei Peterson
 
 CATEGORIAS
   **Mostrar tudo
   **Artigo
   **Bispos
   **Espiritualidade
   **Formação
   **Formação Humana
   **Liturgia Diária
   **Ministérios
   **Notícias
   **Papa
   **Raio-x do Servo
   **RCC
   **Sacerdotes
   **Santo do Dia
   **YouCat
 
Artigo: A castidade nos faz ver a Deus
Subtítulo: Da homilia 'Porque verão a Deus', São Josemaría Escrivá de Balaguer, presbítero e fundador.
Data: 13/11/2012
Categoria: **Espiritualidade
“‘Esta é a vontade de Deus, a vossa santificação... Que cada um saiba usar o seu corpo santa e honestamente, não se abandonando às paixões, como fazem os pagãos, que não conhecem a Deus’ ( I Tes IV, 3-5).Pertencemos totalmente a Deus, de alma e corpo, com a carne e com os ossos, com os sentidos e com as potências. Rogai-lhe com confiança: Jesus, guarda o nosso coração! Um coração grande, forte, terno, afetuoso e delicado, transbordante de caridade para contigo, a fim de servirmos a todas as almas.

O nosso corpo é santo, templo de Deusprecisa São Paulo. Esta exclamação do Apóstolo traz-me à memória a chamada universal à santidade que o Mestre dirige aos homens: Sede perfeitos como meu Pai celestial é perfeito. O Senhor pede a todos, sem discriminações de nenhum gênero, correspondência à graça; exige de cada um, conforme a sua situação pessoal, a prática das virtudes próprias dos filhos de Deus.

Por isso, ao recordar-vos agora que o cristão tem que guardar uma castidade perfeita, estou-me referindo a todos: aos solteiros, que devem ater-se a uma continência completa; e aos casados, que vivem castamente quando cumprem as obrigações próprias do seu estado.

Com o espírito de Deus, a castidade não se torna um peso aborrecido e humilhante. É uma afirmação jubilosa: o querer, o domínio de si, o vencimento próprio, não é a carne que o dá nem procede do instinto; procede da vontade, sobretudo se está unida à Vontade do Senhor. Para sermos castos - e não somente continentes ou honestos -, temos de submeter as paixões à razão, mas por um motivo alto, por um impulso de Amor.

Comparo esta virtude a umas asas que nos permitem propagar os preceitos, a doutrina de Deus, por todos os ambientes da terra, sem temor a ficarmos enlameados. As asas - mesmo as dessas aves majestosas que sobem mais alto que as nuvens - pesam, e muito. Mas, se faltassem, não haveria voo. Gravai-o na vossa cabeça, decididos a não ceder se notais a mordida da tentação, que se insinua apresentando a pureza como um fardo insuportável. Ânimo! Para o alto! Até o sol, à caça do Amor.
 
[In: Escrivá de Balaguer, Josemaría (São). Amigos de Deus.
São Paulo: Quadrante, 2000, grifos nossos]

Fonte: Juventude Coragem
Voltar para página de artigos
Comentários

Nome(requerido)

Email(requerido)




mais comentários clique aqui ...
Todos os direitos reservados a Invictos Tecnologia
Versão 1.0.0.89